COMO O MENTOR COACH PODE AJUDAR VOCÊ?

É natural que na busca por uma nova carreira, emprego ou até mesmo um novo propósito profissional, você se sinta meio perdido, sem saber por onde começar, o que fazer e como fazer. É nessa hora que um MENTOR COACH pode lhe ajudar. A parceria do mentor com seu mentorado ocorre na forma de relacionamentos interpessoais, onde os conhecimentos e experiências do mentor são utilizados para desenvolver e estimular a reflexão e o crescimento do mentorado.

E DE QUE FORMA ISSO OCORRE?

Durante nossa vida, seja infantil, adolescência ou adulta, temos vários mentores, que podemos chamar de mentores informais, são nossos pais, amigos, professores, colegas de trabalho e por ai vai. Porém se precisamos especificamente nos desenvolver através de um processo de mentoria, devemos recorrer a mentores coaches formais, que irão nos orientar, apoiar, aconselhar de forma reflexiva e criar vínculos emocionais e sociais tanto a nível pessoal como profissional e que vão como podem perceber muito além de simples modelos de aconselhamentos informais.

Com isso é possível desenvolver o aprendizado com maior rapidez, maior autoconfiança no saber e fazer, maior nível de adaptação a mudanças, mais facilidade de crescimento profissional, mais satisfação na realização profissional, aumento do índice de assertividade e efetividade, aumento da rede de relacionamentos e networking e menos índice de ansiedade, estresse e frustação.

O mentor coach, através do processo de mentoring acolhe, orienta e aconselha seu mentorado com experiências e conhecimentos que irão servir de base para a reflexão dentro do processo de mentoring coaching. Da mesma forma que o processo de coaching, não existe inferência nem achismo do que é certo ou errado do que serve ou não, mas a troca de informações próprias levando o mentorado a reflexão na aplicabilidade na sua realidade de “status quo” e do seu estado desejado tanto para a vida pessoal como profissional.

Durante estes mais de 30 anos de experiências em liderança, empreendedorismo, desenvolvimento e análise de sistemas e negócios, e no desenvolvimento de pessoas, equipes e grupos, além é claro que um casamento de 25 anos e dois filhos adultos, para muitos dos meus clientes, parceiros e amigos, e pela minha dedicação, integridade e modelo de vida, acabei me tornando mais que simplesmente um mentor informal, passei a ser um mentor coach modelo e um líder modelo. Pude perceber isso, quando em um processo de coaching com meu coachee, tive a surpresa de escutar ele dizer “quis fazer o processo de coaching com você pela sua experiência de vida pessoal e profissional e pelo seu exemplo como pessoa e todos os seus conhecimentos em negócios, e na vida”, a princípio fiquei surpreso, e até fiquei reflexivo, porém olhando para todo meu histórico, de forma intencional ou não foi realmente o que construí, uma vida de ajudar e desenvolver pessoas, de me entregar, de compartilhar e ensinar.

Ser um mentor coach para mim é mais que simplesmente uma realização é uma paixão em poder desenvolver pessoas, compartilhar conhecimentos e experiências. Por isso estes últimos anos tenho me empenhado em me desenvolver mais e mais de forma a poder compartilhar mais e mais, e criando ferramentas, métodos e processos que irão capacitar e desenvolver muito mais meus mentorados e coachees.

Praticamente o processo de mentoring coaching se divide em:

1) Acolher, escutar e entender de forma empática o mentorado;

2) Orientar e aconselhar na forma de experiências próprias de vida pessoal e profissional levando o mentorado a reflexão, insight e aplicação a sua realidade;

3) Visibilidade e exposição do mentorado a realizar seus objetivos e propósitos, agindo e realizando de forma mais efetiva;

4) Aumento da sua rede de relacionamentos e networking através de redes sociais, encontros, grupos e eventos.

Atualmente dou palestras, workshop e cursos em diversos locais levando o conhecimento e experiência a várias pessoas que precisam sair de suas zonas de conforto e isso é reconfortante, compartilho conhecimentos e experiências também nas redes sociais e nos vídeos do meu canal do youtube.

Se quiser saber um pouco mais da minha histório visite meu site: http://www.coachadrianolevy.com.br

MINHA PROPOSTA É AJUDAR AO COACHE INICIANTE QUE QUER VIVER DE COACHING

E como faço isso? Sou mentor coach, coaching executivo, de vida, de negócios e de empreendedorismo e através destes processos ajudo a coaches, empreendedores e líderes a terem alta performance, foco e ação.

“LEMBRE-SE O MELHOR NÃO ESTÁ NAS PALAVRAS, ENSINAMENTOS OU CONSELHOS MAS DENTRO DE VOCÊ MESMO, ENTÃO SEJA A MELHOR VERSÃO DE VOCÊ MESMO.” – Adriano Levy

Adriano Levy

Mentor Coach, Executive & Entrepreneur Coach, Membership YLAI – Young Leaders of the Americas Initiative, PME Community Leader Volunteer, CEO – GOODINFO Coaching & Desenvolvimento Humano e Tecnológico, EXECUTIVE COACH (SLAC – Sociedade Latino Americana de Coaching), LIFE COACH (SLAC – Sociedade Latino Americana de Coaching), Analista Comportamental DiSC, Analista Competências ASSESSMENT, GESTÃO DE TI, Palestrante, Consultor e Mentor de Negócios e Empreendedorismo,

Cel.: +55 (11) 970308508 (Whatsapp) | Tel.: +55 (11) 4200-4449

Linkedin:https://www.linkedin.com/in/adrianolevy/

Facebook:https://www.facebook.com/coachadrianolevy

SOFT SKILLS, HABILIDADES INATAS?

Vou ser bem sincero, as vezes fico incomodado em ver ou ler algumas notícias, que na maioria das vezes só comprovam o que alguns de nós profissionais já tentamos passar, compartilhar, ensinar ou até mesmo discutir a respeito.

Nos meus mais de 30 anos de experiência com pessoas, equipes, times, grupos e networking, a dificuldade que mais vejo é a habilidade interpessoal, a dificuldade de relacionamento interpessoal e principalmente a comunicação interpessoal, as chamadas “Soft Skills”. Por onde eu vá, apesar dos esforços que são visíveis nas pessoas, de cada 100 apenas 1 possui, não de forma global, mas possui pelo menos a capacidade e a habilidade interpessoal.

Onde estão as principais dificuldades? Em primeiro lugar na Empatia, é comum até vermos, simpatia, interesse e até atenção total, mas Empatia no sentido da palavra, raríssimo, em seguida a dificuldade de comunicação interpessoal, real, efetiva com escuta atenta e estruturada, percebendo os mínimos detalhes e fazendo as perguntas certas sem pré-supor, sem inferir e tendo o real entendimento, o que explica é claro a falta da primeira, Empatia.

Sem estas duas, praticamente todo o resto de “soft skills” ou habilidades interpessoais fica sem sentido, pois sem empatia e comunicação interpessoal, efetiva, atenta e estruturada não há como se ter respeito a diversidade, ser adaptável a mudanças, ser líder e até mesmo inovar.

Conforme li estes dias na publicação digital da revista época Negócios (Link para a matéria: https://epocanegocios.globo.com/Carreira/noticia/2018/02/o-que-sao-soft-skills.html) feita por Barbara Bigarelli, e conforme Levantamento da edição de 2017 do Capgemini Digital Transformations Institute Survey mais de 60% das empresas do mundo todo sofrem com a falta e carência das “Soft Skills”, conclusivamente, observa-se que grande parte dos executivos procuram cursos e profissionais de capacitação, pagando preços altos para adquirirem estas habilidades, que hoje, veja só, não mais são consideradas habilidades inatas, mas habilidades que podem ser ensinadas, aprendidas e aplicadas.

Até onde sei, ou pelo menos até onde sempre considerei pilares da boa liderança e principalmente pilares da qualidade de vida pessoal e profissional, estas sempre foram habilidades que podem e devem ser aprendidas e aplicadas em todas as áreas e setores. Eu mesmo acho que durante estes longos 30 anos desenvolvi uma série de “Soft Skills” que me foram e são úteis no meu dia a dia como coach, palestrante, mentor e consultor.

Entre as habilidade da pesquisa realizada pelo Capgemini Digital Transformations Institute Survey, estão:

Colocar o consumidor no centro das preocupações (uma forma de empatia) (65%)
Paixão por aprender (64%)
Colaboração (63%)
Capacidade de decidir (62%)
Habilidade organizacional (61%)
Habilidade de lidar com ambiguidade (56%)
Mentalidade empreendedora (54%)
Capacidade de gerar mudanças (53%)

Estas habilidades, algumas delas quase impossíveis de serem medidas por ferramentas comportamentais ou de competências, fazem parte dos 6 pilares básicos de todo e qualquer Líder Empreendedor (1), que são:

Líderança de equipes e pessoas;
Comunicação Interpessoal;
Planejamento e organização;
Adaptével a Mudanças;
Aperfeiçoamento Contínuo
Inovação e Criatividade

A estes 6 pilares de competências e habilidades adicionamos a Inteligência Emocional e o Reconhecimento dos Perfis Comportamentais.

No Curso Criado por mim de nome REAL LEADERSHIP EXPERIENCE, estas habilidades, comportamentos e competências são ministrados de forma prática e vivencial, com atividades em grupo e individuais, preparando e desenvolvendo o participante a criar seu próprio plano de ação durante dois dias inteiros com aproximadamente 20 horas de imersão total.

Porém como a matéria descreve, é preciso tomar cuidado com quem, onde e como é realizado este aprendizado. É preciso que o executivo, líder ou empreendedor tenha certeza do conteúdo, do que será desenvolvido e como. Investir alguns milhares em uma formação que não lhe dará suporte para o resto da vida em contínuo desenvolvimento pode ser um mal investimento.

(1) Entende-se como Líder Empreendedor o conceito geral envolvendo tanto o pessoal como profissional, seja pra empreender seja para intra-empreender, autodesenvolvendo habilidades para propósitos e objetivos de forma duradoura e contínua, com resultados efetivos.

Resumindo, “Soft Skills” ou Habilidades Interpessoais, num mundo globalizado, tecnológico, conectado e colaborativo são (e sempre foram) ESSENCIAIS e INDISPENSÁVEIS para qualquer pessoa que deseja se autodesenvolver de forma pessoal e profissional, ser mais efetivo, maximizar mais suas ações e ter foco em pessoas e resultados de forma assertiva.

Espero que tenha contribuído para uma reflexão mais profunda com relação a frase “Em que você realmente deu o seu melhor hoje?”.

Adoro conversar sobre temas relacionados a Empreendedorismo, Startup, Liderança e Coaching. Você pode entrar em contato comigo sempre que precisar de suporte profissional ou tiver dúvidas. Você também pode deixar seus comentários ou sugestões.

Um Abraço e até a próxima

Adriano Levy

Executive Coach, Life Coach, Coach de Carreira, Analista Comportamental DiSC e Analista ASSESS, Consultor, Mentor, Empreendedor, Palestrante, Analista de Sistemas, Analista de Negócios, Graduado em Gestão da Tecnologia da Informação.

O Poder extraordinário do autoconhecimento

Uma coisa interessante que tenho vivenciado ao longo destes anos, é a capacidade extraordinária que temos em descobrir comportamentos, características e forças que antes nunca poderiamos imaginar que tinhamos. Estas qualidades são para nós algo oculto e que somente aos olhos dos outros elas existem. Na maioria das vezes somos nossos próprios sabotadores e criamos nossas próprias crenças limitantes sem nunca ter se perguntado “Eu realmente sou assim?”, “Como as pessoas me veem?”,”Como eu me vejo?”, “Quais minhas forças e fraquezas reais?”. Perguntas como estas normalmente nunca são feitas pois temos medo das críticas e opiniões.
Normalmente só conseguimos enxergar nossas características públicas e privadas, onde as públicas são as que temos conhecimento e que as outras pessoas também veem, já as privadas são aqueles que somente nós mesmo temos o conhecimento que elas existem. Porém estas são as mais comuns, as que utilizamos diariamente para relacionamentos, trabalho, relização de metas e objetivos e para nosso propósito de vida. O que devemos realmente buscar são as características ocultas, aquelas que desconhecemos e que somente as pessoas nos atribuem e ainda mais as que nem nós mesmo e nem os outros reconhecem, aqueles completamente ocultas e reprimidas que estão dentro de nós porém completamente escondidas de todos.
Estas caracteríisticas ocultas, normalmente são utilizadas em diversos momentos sem que tenhamos a conciência de que elas existem e de que estamos as utilizando para atingir algum resultado, é comum confundirmos e atribuirmos as mesmas a algo fora do normal.
Precisamos refletir de forma consciente a cada momento, no presente, para cada ação, analisar e buscar entender quais características estão sendo utilizadas, quais forças estão gerando resultados e o porquê do nosso comportamento momentâneo. Para que isso ocorra é necessário nos livrarmos de todos os pré-julgamentos sempre tendo em mente que não existem características ou comportamentos bons ou ruins.
Um exercícios prático para que busquemos o nosso lado oculto e desconhecido é o feedback 360, com ele convidamos nossos familiares, amigos, colegas de trabalho, ou seja, todas as pessoas que nos cercam a descreverem de forma imparcial as forças, fraquezas, comportamentos e características que eles nos atribuem e com base nestas respostas descobrirmos características que ainda não conhecemos.
Outra forma, também bastante prática, é o de exercitar diariamente a cada situação o que sentimos, ouvimos, vimos e pensamos naquele momento, descrevendo detalhadamente cada sentimento, cada atitude, situando-as no mapa do autoconhecimento ou mais conhecidamente como “Janela de Johari”.
Assim como qualquer ferramenta de reflexão, a janela de johari pode ser usada não somente para comportamentos e características mas também pode ser aplicada a qualquer fator do desenvolvimento humano, como por exemplo, competências que eu conheço e competências que desconheço, valores e necessidades que conheço e desconheço, ou seja uma ampla variedade de aplicações de forma a nos auxiliar a refletir e descobrir fatores até então desconhecidos.
Adriano Levy Barbosa
Executive & Life Coaching, Analista DISC e ASSESS

SEU CORPO PRESENTE, SUA MENTE DISTANTE

Uma das coisas que tenho observado atualmente, nas minhas caminhadas, na rua, nas lojas, ou seja em todos os lugares, é o que estes dias, conversando com minha esposa, classificamos como “olhar profundo e distante”. Vejo várias pessoas com esse olhar, meio que parecendo sem rumo, andando meio que no automático, executando tarefas, atividades e até mesmo trabalhando como se estivessem num loop eterno de rotinas costumeiras.
Como de costume, como sou meio curioso e questionador, sempre que me encontro nestas circunstâncias e tenho a oportunidade de interagir com essas pessoas, seja no supermercado, seja na rua esbarrando em conhecidos eu faço o que chamo de “180 GRAUS”, ou seja, analisando o momento, tento quebrar a rotina daquela pessoa, fazendo com que a mesma saia do automático e “desperte”, normalmente puxando uma conversa interessante, me mostrando solicito a escutar, soltando uma piada, entre outras coisas que faço para puxar a pessoa ao presente, as pequenas coisas ao nosso redor.
É muito interessante, pois posso observar, e algumas vezes até admirar a expressão das mesmas, é quase como um sentimento de satisfação que as pessoas expressam, como se precisassem daquele momento presente.
Uma das coisas que o MINDFULNESS trabalha, é exatamente este conceito, por vezes estamos com o corpo no presente, na tarefa, na ação, no trabalho, na atividade, porém nossa mente esta distante, não observamos as coisas a nossa volta, as pessoas, a situação, o contexto, nem mesmo temos a empatia com as pessoas a nossa volta, perdemos o instante, não conseguimos nem mesmo descrever o que sentimos naquele momento, pois não estamos ali, não conseguimos saber ou mesmo refletir porque agimos de tal maneira, pois não estamos ali, estamos no “automático”, perdendo cada sentimento e comportamento do momento. Os motivos são diversos, problemas financeiros, problemas familiares, perdidos no eterno “se eu fizesse”, “se eu fosse”, “por que não sou daquele jeito”, “eu poderia fazer isso”, ou seja infinitos motivos que levam nossa mente ao futuro desejado e ao passado arrependido, mas esquecemos que o futuro desejado é feito de ações no presente que nunca realizamos e que o passado arrependido é feito de aprender com os erros e não cometê-los novamente no presente.
O Presente é realmente o que importa, o que você faz aqui e agora, pois estas ações é que levaram você adiante com foco no resultado final, porém maximizando suas ações e tarefas. Quando pensamos “se eu fosse” , não pense, seja, quando pensamos “se eu fizesse”, não pense, faça, quando temos problemas financeiros, devemos partir do hoje para resolvê-los, será nossa ação de hoje, do presente que resolverá a situação do ontem.
Cada instante, cada momento do presente deve ser observado, analisado, refletido, devemos observar tudo a nossa volta, sentir tudo a nossa volta, entender porque estamos agindo desta ou daquela maneira, interagirmos de forma eficaz com as pessoas para obtermos melhores resultados de consciência, para trocarmos conhecimento e aprendermos passo à passo.
Se tivesse que falar em poucas palavras, diria “Corrija seu passado hoje e planeje seu futuro agora!”
Espero que esta reflexão, faça com que pensem, reflitam, observem e sintam tudo ao seu redor a cada instante e a cada circunstância.
Fez sentido para você?
Adriano Levy
Executive & Life Coaching, Analista DISC e ASSESS

STARTUP OU NEGÓCIO TRADICIONAL?

No mercado atual esta cada vez mais comum ouvirmos as pessoas dizendo que estão montando uma “startup”, é claro que este tipo de “modismo” acaba gerando confusão por conta de toda a perspectiva que existe por traz, como por exemplo investimentos de aceleradoras e investidores anjos, promessa de crescimento rápido e além de tudo vender a sua startup por valores milhionários. É a promessa de enriquecimento rápido e fácil.
Não se engane, além deste modismo gerar esta confusão os modelos de negócio, e propriamente os trabalhos e resultados são completamente diferentes de uma startup e um negócio convencional.
As diferenças vão desde o tempo, tipo de negócio, forma de apresentação ao mercado, escala de crescimento e produtos e serviços.
Para muitos uma empresa em fase inicial poderia ser considerada uma startup, para outros apenas empresas com baixíssimos custo de com possibilidade de gerar receita rápida seriam considerados startup, porém o conceito de startup esta embasado em 4 pilares básicos, que são:
Ambiente de Incertezas: As startup em sua totalidade geram negócios, produtos ou serviços sem ter a mínima certeza de que irão dar certo a menos que comprovem que irão ser sustentáveis.
Modelo de Negócios: As startups precisão obrigatoriamente descrever como irá gerar valor, e neste caso como transforma o trabalho realizado em dinheiro.
Repetível: As startups tem de ser capazes de entregar o mesmo produto porém em escalas cada vez maiores e de forma ilimitada, sem necessidade de adaptações ou customizações.
Escalável: Crescer exponencialmente sem alterar o seu modelo de negócios e ao mesmo tempo gerando cada vez mais receitas, acumulando lucros e com custos aumento lentamente ou de forma não significativa.
Veja que os Negócios tradicionais, como por exemplo a abertura de um restaurante, ou até mesmo uma loja de auto-peças, não irá conseguir acompanhar este ritmo, pois a maioria dos princíipios, técnicas e necessidades de uma startup não se aplicam a estes modelos.
Um restaurante por exemplo, terá um número limitado de lugares e uma quantidade máxima e limitada de pratos por dia ou mês, não podendo ser repetível e nem escalável, pois teria que alterar seu modelo de negócios para agregar mais receitas, pois as mesas e pratos chegaram ao limite, e neste caso teria que mudar ou adaptar a forma como transforma o trabalho em dinheiro.
Se fossemos resumir de forma bem fechada, um negócio tradicional que não se encaixe nos 4 pilares básicos de uma startup seria apenas um negócio tradicional e mesmo em fase inicial não poderia ser considerado uma startup, assim como uma startup não poderia ser considerada uma negócio tradicional.
É claro que as startups não se limitam apenas no mundo da internet, podendo estar em qualquer área que consiga entregar e comprovar que é repetível e escalável, porém é claro que os custos e a possibilidade de crescimento rápido esta concentrada em aplicativos e serviços via web.
Decidir que tipo de empresa deseja empreender é bastante difícil e ambas possuem suas características específicas desde o planejamento do negócio até a sua entrega e forma de gerar receita.
DESEJO A TODOS UM EXCELENTE EMPREENDIMENTO
Adriano Levy Barbosa
Executive & Life Coaching, Analista DISC e ASSESS

Dismistificando o Processo de Coaching

Só de pensar em pedir ajuda, algumas pessoas chegam a tremer de medo, raiva e angústia, pois acham que seria o cúmulo ter que necessitar de alguém para realizar aquilo que aparentemente parece fácil de se fazer. O problema porém é que mesmo sendo fácil, nós somos os nossos maiores sabotadores, e conseguimos inconscientemente nos afastarmos de nossos propósitos, seja através de procrastinação, atenção e foco desviado para coisas triviais e não importantes, preguiça, desculpas e uma infinidade de limitantes que nós mesmos criamos.
Então o que fazer? É exatamente neste momento que precisamos de alguém que nos apoie, que nos desafie, mesmo sem dizer o que e como fazer, porém nos levando a pensar, refletir e acima de tudo a agir.
Não posso dizer que sempre pedi ajuda ou me deixei ser ajudado ou ter o apoio das pessoas, porém de uns anos para cá, com muita mudança de hábitos, estudo, experiências e principalmente erros, comecei a me deixar ser ajudado e principalmente que as pessoas me desafiassem a pensar e a refletir, hoje não só no âmbito pessoal mas também no profissional, sempre discuto e converso temas diversos com meus familiares e amigos, porém o que realmente fez a diferença foi o processo de coaching na minha vida, com ele pude conhecer meu perfil comportamental, conhecer os perfis dos outros, saber escutar atentamente e a me comunicar de forma eficiente, refletir sobre o que é realmente importante e em qual é o meu propósito de vida, criar metas e objetivos realizáveis e uma outra infinidade de mudanças que me fizeram ir cada vez mais em direção ao sucesso e aos resultados efetivos.
Todas as pessoas, em todas as esferas da sua vida, necessitam de apoio, parcerias e relacionamentos, pois somos uma sociedade e convivemos todos juntos. Seja no âmbito da saúde mental através de um terapeuta, seja na saúde física e corporal com exercícios físicos e acompanhamento de um instrutor de educação física, necessitamos também de alguém que nos apoie na obtenção de resultados efetivos na nossa vida pessoal e profissional, na relaização de metas e objetivos e em nossos propósitos de vida.
Todos nós nos perguntamos o que devemos fazer? como devemos fazer? porque devemos fazer? qual meu propósito de vida? o que desejo ser no futuro? que tipo de vida desejo levar?
É claro observar que as mudanças devem realmente acontecer de dentro para fora, ou seja, temos que nos mudar primeiro internamente, em nossos comportamentos, em nossas emoções, em nosso foco, na reflexão do nosso propósito para posteriormente conseguirmos mudar tudo a nossa volta de forma positiva e em direção ao nosso propósito de vida, sonhos e objetivos.
Para estas e outras questões o processo de coaching poderá não só lhe ajudar a encontrar as respostas mas também encaminhar seu desenvolvimento em direção a realização delas.
Na maioria dos casos, nos auto sabotamos e não nos permitimos sair da nossa zona de conforto em direção ao que realmente é importante em nossas vidas.
O processo de coaching tem por objetivo o desenvolvimento pessoal e profissional das pessoas, isso ocorre por meio da utilização de ferramentas, conhecimentos, oportunidades e comportamentos que levarão o indivíduo a se tornar mais eficaz e a obter uma alta performance, maximizando suas ações e com foco em resultados efetivos.
Todo o processo ocorre sem, inferências, sugestões, conselhos ou opiniões, simplesmente através da parceira entre o profissional de coaching, conhecido como “coach” e o cliente, chamado de “coachee”. O objetivo principal e apoiar o coachee a mudar alguma coisa em sua vida pessoal ou profissional, que será definido como um objetivo ou meta a ser realizado.
O grande protagonista deste processo é o coachee que mais do que ninguém é o conhecedor de todas as respostas a respeito da sua vida e da sua profissão e pelas mudanças que serão relaizadas.
O coach essencialmente é um profissional extremamente apaixonado pelo desenvolvimento humano e pelo crescimento do ser, dando seu total apoio neste processo.
Muito além somente da realização da meta ou objetivo o processo de coaching visa também o autodesenvolvimento do coachee, seu crescimento pessoal, suas auto reflexões, insights e seu aprendizado.
Com o processo de coaching, você irá se desenvolver em vários aspectos, sendo alguns deles:
Definir de metas e objetivos;
Encontrar propósito de vida;
Acumular riquezas e valores;
Recolocação profissional;
Promoção ou mudança de cargo ou função;
Motivação pessoal e profissional;
Foco em Resultados;
Maximizar suas ações;
Compreender os perfis comportamentais;
Ter uma comunicação assertiva;
Ter uma influência positiva nas pessoas;
Alinhar todos os aspectos da vida pessoal;
Encontrar seus valores e necessidades essenciais;
Melhorar relacionamentos familiares;
Se autodesenvolver;
Gerir melhor o tempo;
E a lista não para por ai, é realmente um processo enriquecedor e de extrema eficácia que faz com que você veja o mundo e as pessoas de forma completamente diferente, consiga enxergar, ver, ouvir e refletir sobre suas emoções, comportamentos e ações e ainda consiga se desenvolver como ser humano, com empatia, paciência, comunicação afetiva e assertiva e muito mais.
Atualmente é considerado um dos processos mais eficazes e sensacionais no que se refere ao crescimento pessoal e profissional das pessoas, obtendo resultados duradouros e efetivos.
Espero, que apesar de ter escrito com paixão e de forma visionária, eu tenha consiguido transmitir o que o processo de coaching já fez por mim, pelos meus coachees e por várias pessoas no mundo e que possa também fazer por você.
Passe por um processo de coaching, consulte um coach certificado internacionalmente e vá em direção ao sucesso, você merece. E lembre-se seu momento é agora, faça acontecer!
Um Abraço
Adriano Levy Barbosa
Executive & Life Coaching Profissional, Analista DISC e ASSESS

QUEM É VOCÊ? – CAMINHOS PARA O SUCESSO PESSOAL E PROFISSIONAL

Você conhece a sua personalidade e o seu estilo comportamental, sabe porque reage de forma diferente em diferentes situações.
Conhecer a si mesmo e ser capaz de ter presença, influenciar as pessoas e tomar as decisões corretas mesmo sobre pressão e nas condições mais adversas é a chave para o sucesso pessoal e profissional.
Na maioria das situações, temos a tendência de tomar decisões e ter atitudes que nos preservam da dor ou do sofrimento, porém estes comportamentos também nos afastam de nossos objetivos e propósitos.
Para conhecermos quem somos e também sabermos como agir com os diferentes tipos de personalidades e perfis comportamentais, a forma mais indicada é a análise comportamental DISC.
Esta análise irá mapear todos os seus comportamentos classificando-os nas quatro dimensões para determinar seus comportamentos, áreas de atenção, principais pontos de desenvolvimento, como reconhecer e gerar comunicação e empatia com os demais perfis, exercícios de comunicação e influência positiva, mapeamentos das características pessoais e como potencializar seu perfil comportamental para alta performance e realização.
É importante ressaltar que a devolutiva do relatório DISC deve ser feito por um COACH especializado em análise comportamental, que irá além de lhe explicar e detalhar os resultados da sua análise também irá lhe propor uma série de execícios de reflexão sobre o que melhorar, como melhorar, como utilizar este conhecimento para ter sucesso pessoal e profissional.
Abaixo estão as 4 principais dimensões medidas pela análise comportamental DISC
DOMINÂNCIA
Características: competitividade, agressividade, velocidade de decisão e foco em resultado. Por serem muito enérgicas, seus movimentos são rápidos, expansivos e firmes, gostam de correr riscos e de fazer muitas coisas ao mesmo tempo. Estão sempre correndo contra o tempo, mesmo quando não estão atrasados. Sua palavra de ordem é “DOMINAR”, adoram ter o controle e o poder sobre tudo e todos.
INFLUÊNCIA
Características: receptividade, facilidade em se comunicar e expressar-se, otimismo e extroversão. Foco em se relacionar com as demais, são espontâneas e entusiastas. Tendem a ser populares por onde passam e, como ponto de referência, acabam tendo facilidade para influenciar a todos. Muito falantes e emocionais, acabam deixando de lado a necessidade de ouvir, Podendo desmotivar quem está do outro lado apenas como expectador. Pessoas com este padrão de comportamento gostam de ser o foco das atenções e podem prometer demais, porque são muito otimistas e ansiosas por aprovação social. A palavra de ordem aqui é INFLUENCIAR”.
ESTABILIDADE
Características: calmos, prestativos, pacientes, modestos e descontraídos. ALTRUÍSMO é a palavra de ordem que os representa. São ansiosos para ajudar, leais e, muitas vezes excelentes membros de equipe. Falam calmamente e com serenidade e têm habilidade para ouvir, independentemente da situação em que se encontrem. Pode anular sua necessidade para atender a do outro. Confiáveis e equilibrados com as tarefas e pessoas, são muito persistentes e evitam mudanças que não estejam pautadas em seu senso de justiça ou segurança. Prezam por estabilidade, portanto decisões impulsivas ou automáticas são coisas que não se pode esperar desse padrão.
CONFORMIDADE
Características: precisas, lógicas, factuais, analíticas e cuidadosas. Elas necessitam ter o controle do ambiente e dos fatos, não gostam de mudanças e fazem de tudo para manter a ordem do ambiente, evitando ter de mudar a direção. Gostam de dados, informações e análises e por serem mais racionais dão prioridade aos resultados. São introspectivas e reservadas, preferem trabalhar no silêncio, concentradas e com pessoas que tenham as mesmas características que elas. A palavra de ordem que define este padrão é “CALCULISTA”, pois são focadas em tarefas e em garantir que as coisas sejam feitas corretamente.
Adriano Levy
Executive & Life Coaching, Analista DISC e ASSESS

FEEDBACK ou FEEDFORWARD?

Durante anos o processo de dar e receber feedback corretivo e positivo, para saber como estou indo e como minhas ações tem surtido resultado, foi muito importante para o desenvolvimento de líderes e executivos por todo o mundo. Porém este processo é baseado e focado no passado, e como todo processo que retrata o que já aconteceu, o feedback por vezes tem o tom de crítica, que mesmo que seja construtiva, faz com que o ouvinte, tente se colocar sempre na posição defensiva e dar justificativa pelo ocorrido ou pelas críticas a ele direcionadas.
Sem falar, que durante o feedback, pode-se acabar utilizando-se de estereótipos, para comparar o comportamento, as ações, o desempenho e o resultado. É importante ressaltar que apesar dos pontos citados, o feedback continua sendo importante para o desenvolvimento de líderes e executivos, porém pode se tornar algo cansativo e não muito produtivo, uma vez que o principal objetivo aqui é a alta performance para o futuro.
Neste caso entra em cena o feedforward, processo este que diferente do feedback, visa as ações e as sugestões que devem ser tomadas para o futuro, visando assim o desenvolvimento e o crescimento pessoal. O feedforward, pode-se dizer, é um processo enriquecedor, pois gera uma gama de possibilidades de desenvolvimento infinita e centrada, quando aplicada a organizações, ao planejamento estratégico da empresa.
Mas como funciona o feedforward? A regra aqui, praticamente, é a mesma do feedback, sendo necessário escutar de todos os stakeholders, definidos pelo próprio líder ou executivo como sendo a base de conhecimento que irá utilizar para coletar, anotar, refletir e agir.
Cada um dos nomes apontados como stakeholders, irá gerar uma conversa ou diálogo, onde em cima do tópico ou comportamento que se deseja mudar, como por exemplo, “ser mais assertivo”, irá gerar uma pergunta do tipo “eu quero ser mais assertivo”, e o ouvinte irá então dar duas, três ou quatro sugestões que não deverão ser julgadas e simplesmente agradecidas com um “muito obrigado”, feito isto passa-se ao próximo da lista de stakeholders e repete o processo. Assim como o Líder ou executivo, somente irá agradecer, a pessoa que irá sugerir simplesmente irá dizer “por nada”. Lembre-se que neste processo apenas são ouvidas as sugestões sem declarações, desculpas, ou especulações, simplesmente agradecendo de forma positiva e da mesma forma somente podem ser dadas sugestões para o futuro sem nenhuma referência ao passado ou ao ocorrido.
Com base em todas as sugestões ouvidas o processo de desenvolvimento se inicia escolhendo-se 4 ou mais sugestões para serem trabalhadas.
Este processo é praticamente um insigth de idéias e opções que podem transformar o processo de desenvolvimento muito mais agradável e divertido e sem o caráter pessoal, pois visa o futuro e sugestões positivas de desenvolvimento.
Mas lembre-se, assim como o feedforward é algo positivo o feedback também e ambos devem ser utilizados na sua proporção necessária. Não devemos simplesmente abandonar um método ou outro, ao contrário devemos utilizá-los em conjunto.
Espero que tenha feito sentido para vocês e que tenha contribuído para o desenvolvimento e alta performance de cada um.
Adriano Levy
Executive & Life Coaching, Analista DISC e ASSESS

Começar, parar ou continuar?

Uma das ferramentas que acho extremamente útil e importante para o autodesenvolvimento é o mapa da transformação semanal, com ele podemos refletir sobre o que esta funcionando e dando certo, o que ainda não tentamos e que deveríamos começar a fazer e o que devemos ou podemos parar de fazer.
Em todos os processos de coaching que realizo, depois de 4 ou 5 semanas ou sessões é comum neste ponto o coachee já possuir uma linha de ações e tarefas que realiza semanalmente com objetivo de atingir sua meta, porém é comum nos acostumarmos com a rotina e raramente pensarmos se o que decidimos fazer, ou como decidimos fazer esta realmente trazendo resultado significativos e se as mesmas estão realmente maximizando as ações.
Gosto de desafiar os coachees a pensarem a respeito, a transformarem cada vez mais a sua semana em uma semana extraordinária, com ações que realmente sejam efetivas e que tragam valor e resultados para a sua meta ou objetivo.
O objetivo central deste desafio e refletir sobre a situação atual das suas ações e desenvolver os próximos passos, transformando e aperfeiçoando continuamente sua forma de pensar, agir e de realizar tarefas. O simples ato de refletir sobre as suas ações gera idéias, insight e inovações para uma nova visão, expandindo as possibilidades.
Para realizar esta transformação, devemos pensar na meta ou objetivo atual e pensar em novas idéias para três categorias:
  • Começar (comece): Quais são as coisas que precisamos ou que devemos COMEÇAR a fazer e que ainda não fizemos?
  • Parar (pare): O que estamos fazendo atualmente que devemos ou podemos PARAR de fazer que não esta funcionando?
  • Continuar (continue): O que estamos fazendo neste momento que esta funcionando e que devemos CONTINUAR fazendo?
É interessante ver que cada situação, ação ou tarefa se transforma de forma a sempre buscar a maximização dos resultados, e ainda mais interessante ver que cada indivíduo começa a interagir com suas ações num nível mais efetivo sempre buscando a inovação e já não se incomoda mais de sair da sua zona de conforto, buscando sempre uma nova solução para obtenção de resultados mais duradouros e efetivos.
Esse brainstorming semanal leva a uma transformação e autodesenvolvimento continuo e que irá servir em todos os aspectos futuros da vida do indivíduo, fazendo com que continuamente reflita sobre suas ações, busque novas soluções e elimine os sabotadores de sucesso.
Adriano Levy Barbosa
Executive & Life Coaching, Analista Comportamental DISC e ASSESS