Liderança: Inspiração ou Responsabilidade?

Liderança: Inspiração ou Responsabilidade?

“Liderar é inspirar!” – Será? Por muito tempo líderes e lideranças mundiais assim o fizeram e em muitos casos o inspirar é algo que quase se aproxima de uma divindade ou de alguém com qualidades e virtudes excepcionais.

Porém liderar é fazer escolhas; E fazer escolhas de forma consciente para decidir o que é essencial e importante, e que favorece o bem comum e torna as pessoas melhores; E decidir de forma consciente é assumir responsabilidades e uma posição forte de convicções e opiniões.

Então antes de mais nada liderar é assumir responsabilidades e compartilhá-las, é distribuir poder, autonomia, respeito e confiança.

Só assim, será possível realmente inspirar, não por um modelo extraordinário de comportamentos e ações, mas por um modelo humano que erra, acerta, escolhe, se frustra e se alegra, junto, unido e vulnerável.

Quer ser líder? Comece assumindo sua parcela das responsabilidades e deixe claro a responsabilidade dos demais com o crescimento e desenvolvimento coletivo.

O que te define?

O que te define?

Seja na vida pessoal ou profissional, nos negócios ou carreira, o que te define é a essência base de construção de como você obtém sucesso e resultados, e em 90% dos casos esta definição não trás na sua declaração uma visão clara, tangível e transparente do seu “eu” empreendedor ou protagonista.

E assim a maioria dos serviços, produtos, relacionamentos, carreira ou profissão são conduzidos de forma atropelada, sem direção, resultados concretos e duradouros e com enorme esforço para inovação e transformação, pelo simples fato de conduzirmos nossas ações pelo pensamento e interpretação teórica, ao invés de valorizarmos a experiência real.

Na minha experiência recente, uma simples solicitação de uma refeição em uma lanchonete (não cabe aqui nome ou marca), com algumas ressalvas e condições específicas, minhas é claro, como cliente, não foram atendidas e para minha surpresa, mesmo depositando confiança no atendimento das mesmas (o que não me exime da responsabilidade de conferir), não foram atendidas, e pela minha perspectiva, seguiram o padrão, hábito e rotina automática normal, como em um processo robotizado que segue ordens e programação específica e onde não cabem alterações nem customizações, resultando numa tela de erro cognitivo e comportamental.

Existe uma grande diferença, na declaração e definição do propósito da lanchonete existir, seja para servir lanches e almoços, entre outros produtos e serviços aos clientes, ou em proporcionar uma alimentação saudável, com custo acessível e de boa qualidade, porém o que distingue a primeira da segunda é onde você deposita o seu foco, na quantidade, na conclusão e realização do ato de servir ou na experiência, qualidade e satisfação.

Assim construímos nossos propósitos, focados no “eu”, na geração de renda, lucro ou bônus e vantagens individuais ao invés do “nós”, na experiência real, qualidade, conexão e relacionamentos.

Uma ferramenta que gosto muito é com certeza a visão do Golden Circle de Simon Sinek, e com uma pequena adaptação emocional, cognitiva e comportamental do que chamo de coração, consciência e corpo que abaixo deixo como ponto de partida para uma reflexão do que lhe define.

Coração: É o seu porquê, o que lhe encanta, o que lhe motiva, o que faz com que você ame e tenha paixão pelo que aprendeu, se formou, trabalha ou faz? É o “porque” do Golden Circle, o centro que faz com que tudo ao seu redor gire e continue em movimento.

Conciência: É o seu racional e lógico, prático e assertivo, são os fatos e a real experiência, é o “como” do golden circle, é a jornada, o caminho, a forma consciente e clara de como agir, o que fazer.

Corpo: É o esforço, o comprometimento, a resiliência, o aprendizado, desenvolvimento, crescimento e amadurecimento, “o que” do golden circle, seja no aspecto de “fazer” ou de “proporcionar”, são as competências que devem ser aprendidas, as habilidades que devem ser praticadas, os comportamentos e ações que devo ressignificar, é o que devo aprender e desenvolver e o que obterei e proporcionarei com isso, é o quando estou disposto a colocar intenção, concentração e foco.

Quando for atender um cliente, entregar um produto ou serviço, se relacionar com pessoas, liderar equipes, aprender algo, escrever um post ou artigo, se pergunte “o que me define neste momento?” e tudo bem se você responder, que o que lhe define “é atender o suporte técnico da empresa” ou “vendo produtos pela internet”, mas se quiser encontrar realmente o que lhe define, pense pelos 3 aspectos de coração, consciência e mente, e talvez sua declaração mude para “ajudo as pessoas a obterem a melhor utilização do meu produto e serviço e terem suas dúvidas e perguntas respondidas de forma clara, transparente e honesta” ou até mesmo “proporciono produtos e serviços as pessoas que facilitam seu dia a dia, suas demandas e necessidades e principalmente seus desejos com qualidade, rapidez e informações claras e precisas”

Talvez a forma como você se define, possa lhe dar novas perspectivas e oportunidades, talvez elas simplesmente façam com que encontre o caminho para resultados extraordinários, e talvez você não precise mais inovar e transformar, pois o que te define fará isso por você.

O que te define? Conta pra mim, coloque nos comentários, quem sabe eu possa lhe ajudar?

 

 

 

Responsabilidade Compartilhada

Responsabilidade Compartilhada

Não basta saber a direção, nem mesmo o propósito, é preciso sentir, estar presente, participar e colaborar, só assim é possível realizar uma conexão emocional e compartilhar uma visão comum.

“80% do sucesso é aparecer” – Woody Allen

Estar presente, participar, colaborar, apoiar, desafiar e ter total atenção é a principal receita para uma liderança humanizada, ética e honesta que transmite autonomia, autoconfiança e responsabilidade coletiva.

Conseguir proporcionar o correto alinhamento da missão e propósito com os valores e crenças é o que dará uma visão clara da interdependência das responsabilidades, dos comportamentos e ações e dos resultados e proporcionar oportundades únicas de crescimento, pertencimento e merecimento de todos.

É preciso empoderar concedendo e compartilhando poderes e responsabilidades à todos, entendimento claro, honesto e transparente e principalmente criando um ambiente de segurança emocional para poder assumir erros, fracassos, vulnerabilidades, medos e culpas de forma autêntica, honesta e verdadeira, possibilitando assim que cada indivíduo assuma o seu verdadeiro eu, amplie seu autoconhecimento e com isso sua percepção de si mesmo e de todos a sua volta.

Como tem sido a sua participação e responsabilidade na sua vida pessoal e profissional?

Quais dos 5A você posssui?

  • Autenticidade
  • Autoresponsabilidade
  • Autonomia
  • Autoconfiança
  • Alinhamento

O Poder do Elogio

O Poder do Elogio

A coragem de expressar sentimentos, emoções e gratidão, para muitos é uma demonstração de vulnerablidade e até mesmo de fraqueza e portanto a falta ou ausência disso expressa uma insegurança e medo.

Existe mais poder e benefício no ato de expressar de forma sincera, verdadeira e até mesmo oportuna o elogio e gratidão pela contribuição que outros demonstraram através de seus atos, ações e comportamentos.

O elogio é um poderoso catalisador de confiança, respeito, presença e empatia, que deve ser praticado de forma virtuosa em todos os momentos, demonstrando e reconhecendo as contribuições e as colaborações dos outros, de forma genuína, específica e transparente, e desta forma promover o otimismo, reconhecimento e satisfação.

Conseguir relacionar, principalmente, as realizações individuais aos propósitos, promessas, compromissos e comprometimentos coletivos e demonstrar a sua apreciação por algo valioso, digno e merecedor é, não somente inspirador, mas fundamental para o crescimento e desenvolvimento de todos.

Você está preparado para elogiar e expressar a sua gratidão?

Bom Humor e Carisma

Bom Humor e Carisma

Lideranças devem ser claras e transparentes quanto aos seus valores, propósitos, compromissos e principalmente virtudes e se comprometerem diariamente não somente a praticar, mas aproveitarem todas as oportunidades de demonstrá-las.

Carisma e Presença são essenciais para inspirar e motivar a colaboração, cooperação e a comunicação honesta, clara e transparente.

Bom Humor será sempre o ponto de partida para uma positividade, é transformar reclamações em soluções, críticas em contribuições e assim transmitir respeito e confiança.

Felicidade, não é ficar alegre e sorridente o tempo todo, nem tão pouco rir e gargalhar, é um estado de segurança e conforto de poder não somente apoiar mas ser apoiado por todos.

Quais são as suas virtudes e o quanto você tem se dedicado a elas?

Motivação pela jornada

Motivação pela jornada

Eu gosto, e sempre gostei dos desafios, da jornada, mais até que a realização, o objetivo ou a meta.

Costumo dizer que a parte difícil da prática de exercícios físicos é o primeiro quarteirão, que quando transpassado, retira toda a chuva, neblina e visão turva dos benefícios e principalmente da satisfação e alegria da jornada, e claro com ela vem as conexões e relacionamentos da academia ou do parque, do aprendizado e prática e da ação por si só concretizada, sem desculpas, sem procrastinação e uma motivação que vem de dentro, intrínseca e duradoura que cria hábitos saudáveis que proporcionam a valorização das virtudes, competências e comportamentos.

A jornada sempre é difícil, cheia de obstáculos, que quando bem analisados, podem se transformar em oportunidades de crescimento e aprendizado, é a visão pela ótica da abundância e positividade e não pela escassez e medo, porém, é preciso que a jornada seja um momento presente, onde os sentidos e percepções estejam acima das suposições e interpretações passadas ou futuras, que cada detalhe seja sentido como uma experiência única e não como uma repetição, cada ator, cada ambiente, cada circunstância, constroí novas possibilidades e consequentemente novos resultados.

Costumamos dizer que nossos dias são sempre iguais, que nossa vida é um tédio, que nada de novo acontece, e isso por si só, é como andar de carro na chuva com os limpadores de para-brisa desligados, ou na velocidade mínima, vendo apenas as luzes de faróis e lanternas, mas sem distinguir a paisagem, as cores dos carros e a estrada.

Não vemos a importância daquilo que não enxergamos, e com este tipo de pensamento e comportamento, tendemos à

  • Nos mantermos tensos e estressados;
  • Elevamos nossa emotividade a padrões irracionais e irreais;
  • Polarizamos nossa percepção entre certo e errado, bom e mal, ganhar e perder;
  • Negamos, discordamos e afastamos as possibilidades que não entendemos, reconhecemos ou aceitamos.

Porém,

“A paz vem de dentro de você mesmo. Não a procure à sua volta” – Buda

Para aumentar a sua motivação pela jornada, intrínseca, duradoura, positiva e feliz, é preciso:

  • Perguntar e responder, buscando sempre a verdade;
  • Cooperar e colaborar;
  • Dar e ganhar numa troca mútua de necessidades e prosperidade;
  • Criar vínculos emocionais com as pessoas a sua volta;
  • Manter-se no fluxo, na experiência verdadeira;
  • E de forma positiva, tornar agradável, divertido e satisfatória a jornada.

Todos os dias eu acordo e penso, que experiências novas poderei ter hoje, que pessoas encontrarei, que virtudes poderei ter a oportunidade de praticar, quais oportunidades quero enxergar, que novos desafios irão me fazer superá-los, o que aprenderei.

Assim no fim do dia faço minha lista de experiências e possibilidades, anoto tudo, releio, aprendo, reflito e cresço!

E você, qual foi sua experiência única hoje?

 

Quando tudo acabar, eu…

Quando tudo acabar, eu…

Seguem os questionamentos e as reflexões sobre o momento atual, e o que farei, serei e terei quando tudo isso acabar, e quando penso nestas reflexões me lembro de uma metáfora muito interessante relacionada a ” Ansiedade Antecipatória”, é a “fábula do Barranco e o Galho de Árvore”, retirada do Livro de Metáforas Terapêuticas.

Certa noite, um homem andava numa floresta e escorregou num barranco. Quando caia, conseguiu se agarrar num galho. Olhava pra baixo e só via escuridão. Ficou desesperado. “Não vou aguentar me segurar, vou morrer”, pensava ele. Conforme o tempo passava, o galho ia cedendo mais um pouco e ele se desesperava mais ainda. Até que o dia raiou e ele percebeu que passava a noite pendurado no galho, com os pés a 40 centímetros do chão. Todo seu medo e sofrimento tinha sido à toa.

Porém, quem eu serei, farei ou terei não se trata de criar uma imagem futurística de certezas, principalmente num cenário de imprevisibilidade, mas sim das ações no presente, das minhas atitudes, comportamentos e hábitos.

Existem pessoas que no momento estão,

Vivendo do passado: de como as coisas eram, dos momentos não aproveitados, da liberdade que tinham, dos relacionamentos, das decisões não tomadas, do crescimento não realizado, ou seja vivendo de um mundo que não mais existe, e por mais que tenha contribuído para nossa mudança, desenvolvimento, crenças e valores, é como uma página de livro, que quando virada, a história segue em frente, e o leitor pode até resistir com todas as suas forças, contra a mudança e transformação, mas inevitavelmente, já não será o mesmo, pois apesar de estar no passado, é no presente que estas lembranças e memórias fazem a diferença e definem o que somos, estamos fazendo e temos.

Vivendo no futuro: de como será transformador, como será diferente, ainda que não se tenha a mínima ideia, de como será o amanhã, refletindo e pensando por antecipação quem eu quero ser, o que farei e o que desejo ter, se esquecendo que só imaginar e desejar não é suficiente para uma transformação e mudança real, é preciso agir no presente, pois são estas ações no agora que determinarão o quão próximo de meus propósitos eu me aproximarei.

Ao invés de pensar a respeito de porque não prestei atenção ao barranco a minha frente, porque decidi entrar na floresta, porque não colocaram uma placa de aviso, reclamando a respeito de coisas fora do meu controle e que já estão no passado, ou até mesmo ficar com pensamentos de que não vou aguentar, vou morrer e cair, ou seja de futuros dos quais minha sobrevivência depende única e exclusivamente das minhas ações e atitudes agora, para me agarrar ao máximo, procurar outras soluções, agir de acordo com os fatos e principalmente manter minha estabilidade emocional no presente é essencial para um desfecho diferente.

Ao entrar na floresta, de que forma suas ações e atitudes lhe conduziram? Ao cair no barranco quais foram os comportamentos que você teve? Ao se agarrar no galho, quais ações lhe permitiram ter força e coragem?

Foram cada uma destas ações no presente que moldaram quem você é agora!

Em resumo não se trata de quem você quer ser quando tudo isso acabar, mas de quem você é, o que faz, quais ações esta realizando, quais comportamentos e atitudes esta tendo que irá moldar o seu eu do amanhã.

“Se hoje tudo deu certo é porque ontem você agiu, então as ações de hoje transformarão o amanhã” – Adriano Levy

Os princípios da Automotivação e Engajamento

Os princípios da Automotivação e Engajamento

Por via de regra, manter-se motivado e engajado a fazer algo, está muito ligado a intenção real e a expectativa, e neste segundo ponto – expectativa – normalmente dependemos ou nos apoiamos em conjecturas de fatores externos, algo como, tenho uma intenção mas o resultado dependerá não somente de mim, e aposto todas as minhas fichas que o outro irá corresponder a elas, ou simplesmente quando depende somente de mim, não vejo ou não sei com clareza minhas capacidades e competências e neste caso superestimo os resultados. Seja nos relacionamentos, seja em objetivos e metas pontuais ou em manter equipes de alta performance, tendemos a ignorar 3 fatores essenciais para a manutenção do engajamento e motivação que podemos dividir em:

1) Necessidades Básicas e Sustentabilidade do processo

Neste ponto estamos falando não somente de suprir a mim mesmo, ou a minha equipe de itens essenciais a sobrevivência, como alimentação, saúde, água, condições e ambiente de trabalho, prática de exercícios físicos, manutenção e desenvolvimento da saúde mental e emocional, descanso e repouso entre outros fatores essenciais para manter a sustentabilidade dos colaboradores e a minha é claro! É preciso atender a estas necessidades básicas para poder superar e enfrentar os desafios e os fracassos com energia e disposição, assim como comemorar as vitórias e conquistas.

2) Grupo, Pertencimento e participação

É necessário que o sentimento de pertencimento e participação de todas as etapas, idéias e decisões seja compartilhada entre todos os envolvidos, e no caso de ser uma meta ou objetivo individual, ou seja minha, devo me reconhecer como merecedor do resultado e da conquista, ao contrário, nunca terei um sentimento real de que fui merecedor de atingir os objetivos e em qualquer dificuldade ou obstáculo, provavelmente irei desistir. O merecimento e a generosidade comigo mesmo, de conscientemente desenvolver esta aceitação e pertencimento ao lugar, resultado ou meta atingida, me dará uma real visão das minhas capacidades e do caminho que devo seguir para me desenvolver.

3) Aperfeiçoamento contínuo e orientação para o aprendizado

É preciso que de forma constante e consistente todos na equipe e inclusive você, criem o hábito de sempre buscar mais conhecimento, aprendizado e experiências que possam desenvolver a capacidade e competências necessárias para se atingir os resultados. Cursos, workshop, treinamentos, networking, palestras entre outros tipos de aprendizados sejam presenciais ou virtuais abrem um leque grande de opções e novas ideias criativas e inovadoras e capacitam de forma mais consciente os percursos e a jornada que devemos trilhar para o sucesso e a alta performance e principalmente para nos mantermos engajados e motivados.

Então lembre-se que:

Mantenha a sustentabilidade de sua vida seja espiritual, mental ou física em dia e com práticas diárias, sinta-se ser merecedor dos resultados e das conquistas, seja mais generoso e tenha compaixão com seus fracassos e erros e por fim mantenha-se em constante aprendizado em busca de conhecimento e de perspectivas diferentes para poder decidir e agir de forma consciente.

Reflita e pondere sobre como você está se automotivando e se mantendo engajado e como mantem sua equipe, familiares e amigos também motivados e engajados e em como pode levar este pensamento para o seu dia a dia e para praticamente todos os aspectos pessoais e profissionais.

Investir em colaboração, uma bóia salva-vidas em alto mar!

É surpreendente como muitos executivos, empresários e empreendedores ainda relutam em realizar mudanças, fazer investimentos e construir um modelo mental mais colaborativo e voltado para pessoas, continuam ainda nos velhos e tradicionais modelos de gratificação e recompensa versus punição, o que sufoca em todos os níveis hierárquicos a criatividade, inovação e o cognitivo de equipes e times.

Parece que investir em novos modelos de gestão, voltados mais para as pessoas e para a colaboração ainda é visto como uma bóia salva-vidas em alto mar, que só se usa quando o barco já está afundando, e muitas vezes o primeiro a usar é o próprio capitão, deixando a deriva uma tripulação de talentos, experiências e conhecimento.

Ainda continuo na briga da mentalidade corretiva que temos ao invés de preventiva, visionária e futurista, com mais antecipar do que remediar, com mais desenvolvimento do que imediatismo.

Apesar de várias pesquisas, indicadores e cases de sucesso apontarem para resultados que vão além do mediano, chegando por vezes ao extraordinário, levamos a embarcação pelo mesmo caminho e rota de colisão com o iceberg, e no fim das contas nem mesmo temos bóias salva-vidas para todos.

Todas as atividades voltadas para o desenvolvimento humano ainda são vistas como custos e não recebem a devida atenção, isso devida a uma visão de longo prazo como na maioria das vezes foi no passado, nos modelos tradicionais de treinamento e desenvolvimento, porém nos dias atuais, dispomos de diversas ferramentas e metodologias que tanto geram resultados imediatos e visíveis, chegando a serem até mesmo tangíveis, de curto prazo, como também de médio e longo prazo, e diferente do passado, hoje o desenvolvimento está mais focado na criação de competências que gerem a capacidade no indivíduo de se autodesenvolver ao longo do tempo de forma constante e com propósito.

“Todo desenvolvimento verdadeiramente humano significa o desenvolvimento conjunto das autonomias individuais, das participações comunitárias e do sentimento de pertencer a espécie humana” – Edgar Morin

Ferramentas, processos e metodologias como coaching e mentoria podem de forma rápida identificar, desenvolver e treinar indivíduos para se tornarem mas eficientes e eficazes, com alta performance e automotivação. Pilares essenciais como inteligência socioemocional, comunicação interpessoal, liderança, planejamento e organização, trabalho em equipe, empatia, resolução de conflitos e influência, permitem construir indivíduos mais preparados para um mundo em constante evolução, mudança, imprevisível e incontrolável além de mais competitivo e colaborativo.

São essenciais as seguintes reflexões a respeito do desenvolvimento pessoal e profissional de colaboradores, executivos, líderes, gestores e supervisores:

  • Poder de decisão e mais autonomia;
  • Engajamento, comprometimento e foco;
  • Adaptação a mudanças;
  • Capacidade de enfrentar situações difíceis e complicadas;
  • Rede de conexões, relacionamentos e de alianças;
  • Alinhamento dos aspectos pessoais, profissionais e propósitos.

Lembre-se que todos os investimentos realizados em desenvolvimento humano proporcionam não só resultados financeiros, mas retenção de talentos, inovação, criatividade, colaboração, rede de alianças e de influências e propósito.

Mas a decisão é sua, chegar a um porto seguro com toda a sua tripulação ou continuar a deriva em alto-mar no meio da tempestade!

Reflita e pondere sobre como você pode levar este modelo de desenvolvimento para seu dia a dia e para praticamente todos os aspectos pessoais e profissionais.

Deixe seus comentários, sugestões e dúvidas, será um prazer respondê-los!

Me nome é Adriano Levy e minha missão é ajudá-lo a subir mais um degrau na escada do sucesso, realização, mudança, superação e alta performance.

Sou,

Palestrante, Talker, Executive & Life Coach, Analista Comportamental DiSC e Analista ASSESS, Consultor, Mentor, Empreendedor, Analista de Sistemas, Analista de Negócios, Graduado em Gestão da Tecnologia da Informação. Certificado pela SLAC Coaching – Sociedade Latino Americana de Coaching, AC – PECC – Professional Executive Coach Certification, EMCC – PECC – Professional Executive Coach Certification, IAC – Certifies in PECC – Professional Executive Coach Certification e PCA – PECC – Professional Executive Coach Certification. Trata principalmente os assuntos relacionados a empreendedorismo tradicional e social inclusivo, Startups, Comunicação Interpessoal e não violenta, desenvolvimento de líderes e liderança, autodesenvolvimento pessoal e profissional. Já realizou diversos workshops e palestras e é idealizador e criador do Curso Real Leadership Experience além de diversas oficinas e cursos.

Cursos, Oficinas e Workshops: https://www.sympla.com.br/adrianolevy

Iniciar Chat
Precisando de ajuda?
Coach Adriano Levy
Olá! Como posso lhe ajudar?